quinta-feira, dezembro 8, 2022

Saiba quais são os impactos da inflação nas empresas

O aumento de preços e consequente diminuição do poder de compra são características da inflação, tão temida pelos consumidores. Mas os impactos da inflação também são sentidos por quem produz bens de consumo. O processo inflacionário é um fenômeno da economia e pode significar perdas ou ganhos para empresas, a depender da estratégia.

Neste artigo, você vai entender quais são os impactos da inflação nos caixas de grandes à pequenas empresas. Para isto, ouvimos o professor Alexandre Assaf, do curso Finanças e Controladoria do MBA USP/Esalq, que explicou o que é inflação, como funciona, quais são seus impactos e como é calculada. Confira!

Leia mais: 4 motivos para estudar Finanças e Controladoria e melhorar seus resultados!

O que é inflação?

Esse fenômeno pode ser explicado por um aumento generalizado dos preços de bens e serviços, como explica Assaf. Desta forma, a inflação ocasiona uma alta nos preços de alimentos, transporte, educação, habitação, cultura entre outros. Portanto, em cenários de alta inflação, é comum que haja discussão sobre o reajuste salarial, para que o consumidor consiga manter seu poder de compra, mas não é sempre que isso acontece.

Desta maneira, com produtos mais caros no mercado, alta de preço de combustíveis, gás de cozinha, passagem de ônibus, entre outros, a consequência é uma redução no poder aquisitivo dos consumidores. Ou seja, “uma mesma quantidade de moeda passa a adquirir menor quantidade de bens e serviços, revelando uma perda do poder de compra”, de acordo com Assaf.

Leia mais: Pensando em investir? Então, é hora de conhecer o Rating

imagem de uma calculadora e de notas fiscais para simbolizar os cálculos financeiros de pequenos negócios devido aos impactos da inflação
Pequenos negócios são mais sensíveis aos impactos da inflação

Impactos da inflação, na prática

O professor utiliza o exemplo de um investidor que aplica $ 100 mil em um título de renda fixa, que promete pagamento de juros de 10% ao ano, para ilustrar o impacto da inflação na moeda. Ao resgatar $ 110 mil no fim do ano, quando a inflação atingir a taxa de 14%, o investidor tem uma “depreciação monetária” por falta de correção da inflação sobre o valor recebido.

“Para manter o poder de compra do capital, o investidor deveria possuir ao final do ano o capital inicial de $100 mil mais os 14% de inflação, ou seja, $114 mil. O montante acumulado foi de somente $110 mil (capital de $100 mil + juros de 10%), inferior ao valor do capital corrigido”, explica Assaf. Desta forma, o investidor teve um prejuízo de $4 mil, uma vez que o investimento não cobriu a perda do poder de compra do dinheiro pela inflação.

Mas você sabe como acompanhar o processo inflacionário, para entender como esse valor é corrigido? O professor Assaf explica que a inflação é expressa através de um Índice Geral de Preços, que retrata as variações de preços de um grupo selecionado de bens e serviços.

No Brasil, a medida oficial de inflação é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Este índice considera em seus cálculos famílias com rendimentos de um a 40 salários mínimos.

Leia mais: 3 dicas para quem pensa em investir dinheiro

Quais são os impactos da inflação no caixa das empresas?

O docente aponta três fatores principais que podem contribuir para o impacto negativo da inflação no caixa das empresas, seja um grande ou pequeno negócio. Confira abaixo os pontos destacados pelo professor:

  • Redução da capacidade de pagamentos operacionais de custos e despesas
  • Menor possibilidade de amortização de dívidas
  • Menor disponibilidade para investimentos devido a perda do poder de compra da moeda

Os pequenos negócios são mais sensíveis a estes fatores, segundo Assaf, devido ao aumento de custos e despesas operacionais e seus impactos sobre os preços e volume de vendas. “As pequenas empresas, pelo menor poder de negociação e maior risco, sofrem mais os impactos negativos dos aumentos de preços”, explica.

“O processo inflacionário demanda uma maior geração de recursos de caixa de maneira a repor a perda do poder aquisitivo da moeda”, destaca o professor. O problema é que muitas vezes as empresas não conseguem repassar corretamente todos os aumentos de custos aos preços de venda de seus produtos sem afetar sua atividade, como com a redução de produção e vendas.

Além disso, a diminuição de investimentos para transação e precaução produzem perdas para a empresa. O dinheiro “em caixa” ao invés de em aplicações financeiras é o item mais sacrificado devido a inflação. Para preservar o poder aquisitivo dos recursos de caixa, empresas devem aplicar seus valores temporariamente em títulos financeiros negociáveis de mercado e corrigidos plenamente pela inflação, segundo Assaf.

MBA

O impacto da inflação em empresas é apenas um dos diversos assuntos tratados no curso de Finanças e Controladoria do MBA USP/Esalq, que prepara os profissionais para lidarem e encararem desafios nas áreas financeiras. Quer saber mais sobre esse e outros temas relacionados ao universo de finanças? Então se inscreva!

Você também pode gostar desses conteúdos:

Autor (a)

Letícia Santin
Letícia Santin
Jornalista, gosto de leituras que me cativem e de aprender de tudo um pouco. Minhas experiências profissionais com comunicação me fizeram apreciar a transmissão de conhecimentos e ideias de uma forma descomplicada e acessível. No meu tempo livre, gosto de fazer maratonas de filmes e séries, meditar, desenhar e cozinhar.

Compartilhar