terça-feira, janeiro 31, 2023
Ícone de usuário

Startups estão mudando a relação com o dinheiro

Desde 2010, a resolução 3.919 do Banco Central determina que não podem ser cobradas taxas de contas bancárias movimentadas apenas por meios eletrônicos. Essa regra contribuiu para o crescimento no uso de aplicativos de celular, modificando o sistema financeiro e a nossa maneira de lidar com o dinheiro.

Conhecidas como Fintechs, as startups, que podem ser desenvolvedoras de aplicativos de celular, já somam nada menos do que 1.406 unidades no mundo, segundo a empresa de pesquisa Venture Scanner, captando, apenas em 2014, US$ 29 bilhões com fundos de investimentos.

No Brasil, esses números são menores, mas cada dia mais expressivos. Por aqui existem cerca de 100 Fintechs, sendo que três delas estão no ranking das 100 startups mais inovadoras desse setor, segundo pesquisa realizada em 22 países pela empresa de contabilidade KPMG e a investidora em fintechs H2 Ventures.

Para Marcelo França, CEO do aplicativo Celcoin, desenvolvido para democratizar o acesso aos serviços financeiros sem custo, o crescimento desse setor se deu pelo atual momento tecnológico. “As duas grandes mudanças que motivaram a criação do Celcoin e de outras instituições de pagamento foram a grande penetração dos smartphones e o surgimento da lei dos arranjos e instituições de pagamento (Lei 12.865/2013),  que promove a inclusão financeira ao permitir a criação de novos modelos de conta eletrônica”.

COMO PAGAR CONTAS E FAZER TRANSAÇÕES

No caso do aplicativo Celcoin, o usuário baixa o app e em seguida cria uma conta corrente. Lá ele adiciona créditos, como se fosse um celular pré-pago. Com esse dinheiro na conta, o usuário tem praticamente acesso a todos os serviços de um banco físico, só que de graça e sem taxas. Apenas para realizar saques em locais credenciados que é preciso pagar.

“As transações estão cada vez mais eletrônicas, esse é o caminho natural. O usuário quer cada vez menos custos e o banco está cada vez mais caro”, frisa França.

A tendência é que essa mudança se expanda e modifique a forma como é usado o dinheiro para pagar até mesmo o cafezinho na padaria. Já é possível enviar dinheiro para qualquer número de celular através do app, mesmo para aqueles que ainda não se cadastraram.

É, o futuro chegou! E você, o que acha desse novo modelo? Compartilhe nos comentários a sua opinião.

Autor (a)

Compartilhar