Entenda a importância do comportamento organizacional para sua carreira

O mercado globalizado e extremamente competitivo exige dos profissionais desenvolvimento de habilidades e competências que garantirão melhores resultados no trabalho. Esse comportamento organizacional está relacionado à melhor produtividade e desempenho, sendo cada vez mais valorizado pelas empresas. “Antigamente não se pensava em comportamento organizacional. A ideia era a do ‘eu pago e você realiza o trabalho, ponto final’. Hoje, o que acontece é que a organização vai analisar seu currículo e o que você traz de experiência, mas para ficar e subir na carreira você vai precisar desenvolver habilidades e alguns comportamentos que farão com que você de fato consiga ter melhores resultados e ser um melhor gestor”, explica Denise de Moura, professora do MBA em Gestão de Negócios USP/Esalq.  

Resiliência

Uma empresa passa por mudanças quase sempre e o profissional precisa ser resiliente para se adaptar. “Adaptar não significa aceitar, mas entender o que a mudança vai trazer para você. É pensar: será que eu posso ajudar na mudança?”, afirma a professora. Denise cita que o profissional precisa entender que haverá situações-problema ao longo de toda sua trajetória. E terá de enfrentá-las. “Em um primeiro momento, o desafio pode ser assustador, mas você precisa entender que isso pode trazer grandes ganhos e te ajudar a desenvolver habilidades que você nem sabia que tinha, fazendo com que se torne um melhor profissional. A resiliência faz com que você não olhe só o lado negativo das coisas.”  

Flexibilidade cognitiva

Um profissional é diferente do outro, assim como cada cliente é único. A flexibilidade cognitiva é exatamente conseguir dar uma resposta diferente a cada situação vivenciada. “Não se pode ter uma única regra e aplica-la para tudo. Se eu sou gestor, tenho que entender que cada funcionário é um funcionário diferente e lidar com isso. Não é ir contra um código da empresa, um código de conduta, mas conseguir atender, de forma diferenciada, a situação encontrada. Isso é fundamental”, diz Denise.  

Inteligência emocional

Desenvolver a inteligência emocional é diferente de saber controlar as emoções, reforça Denise. Um dos componentes mais importantes é a automotivação. “No momento em que você coloca o poder do chefe ou da empresa de te fazer feliz e seu chefe não é a melhor das pessoas, a empresa não oferece o treinamento que você quer, aí vem a desmotivação, a frustração”, comenta a professora. A automotivação tem a ver com buscar seus próprios interesses, suas próprias razões. “É pensar que ‘eu estou aqui para crescer, quero crescer e se não for me dado o desafio, eu vou correr atrás, porque eu sou automotivado’”.  

Comunicação

Saber se comunicar bem é necessário para todos os profissionais, mas a habilidade é ainda mais cobrada no caso dos gestores, que têm de lidar com uma equipe, em geral, formada por profissionais de diferentes perfis. “Com algumas pessoas você pode falar de forma mais natural, mas outras podem ficar ofendidas e retraídas dependendo do modo. Então além de saber se comunicar, é preciso conhecer muito bem a equipe e isso tem que ser genuíno.”  

Feedback

Denise lembra que o gestor é uma vitrine da equipe. Se ela vai mal, é preciso avaliar se há uma boa comunicação e se o feedback (resposta) do gestor aos profissionais está sendo de maneira adequada. “Quando um líder fala que a equipe está péssima, é um reflexo dele mesmo. Se está péssima, ele é parte do problema”, cita. A professora comenta que muitos gestores ainda relacionam dar feedback à gritar com as pessoas ou agem criando campos de fofoca dentro da própria equipe. “O feedback corretivo vem para corrigir um comportamento, não para ofender ou buscar culpados. Vem para mostrar o que pode ser corrigido e não é na base do grito”. O feedback também não deve ser dado uma vez por ano, mas no dia a dia profissional. “Quando o gestor sabe dar um feedback honesto, o que não quer dizer positivo, o engajamento e comprometimento das pessoas se torna mais alto.”   Gostou do tema? Saiba mais sobre como a cultura organizacional gera resultados em todos os setores.

Autor (a)

Compartilhar