quarta-feira, outubro 5, 2022

Esqueça os mitos da inovação: Juliana Paolucci dá dicas de grande impacto no MBX

Se você acha que a inovação é uma habilidade exclusiva de gênios criativos que marcaram a história ou que, para inovar, é necessário tecnologia de ponta e investimentos financeiros robustos, então você caiu em alguns dos mitos da inovação.

Quem conta isso para a gente é Juliana Paolucci, a Ju, designer e especialista em inovação, que estará no MBX – MBA Experience dia 23 de novembro, com a palestra Inovação Possível: O Grande Impacto dos Pequenos Passos. As inscrições estão abertas e são gratuitas. Garanta sua participação clicando aqui, o evento é 100% online!

Quem é a Ju?

Para você ter uma ideia de como a Ju é a pessoa certa para falar sobre mitos da inovação, vamos contar um pouquinho da história dela. Nos últimos 10 anos, ela desenvolveu projetos de inovação na Europa, Ásia e América Latina, para diversas marcas. L’Oréal, Cielo, Accor, Globo e Itaú são alguns exemplos de empresas que contaram com a colaboração da Ju na aceleração da inovação e transformação de cultura.

Com essa bagagem e acreditando na inovação como meio fundamental para a prosperidade dos negócios, a palestrante assumiu recentemente a missão de democratizar a inovação e compartilhar conhecimento, métodos e ferramentas para profissionais, principalmente os envolvidos em pequenos negócios.

E esse propósito tem tudo a ver com o MBX e com o tema desta edição: Na Jornada se Aprende. Quer saber como?

Esquecendo os mitos da inovação…

O objetivo de transformar realidades profissionais é o que movimenta o MBX. E a Ju chega para contribuir com sua experiência em derrubar os mitos da inovação que distanciam líderes e equipes corporativas do desenvolvimento de uma cultura de inovação.

“Isso acaba tendo impacto direto no desempenho das pessoas e, consequentemente, nos resultados das organizações”, comenta.

…E focando no que é, realmente, inovação

Por isso, ela explica o conceito de inovação, que está ligado à criação de novas soluções para demandas e necessidades reais e que, quando colocadas em prática, geram valor percebido pelas pessoas e, especialmente, por clientes e potenciais clientes.

“A inovação pode ser algo disruptivo, que transforma completamente a lógica de um mercado, ou pode ser uma mudança pequena e incremental, que promove melhorias em processos ou formas de trabalho, por exemplo”, explica Ju.

Assim, ela argumenta que a inovação depende muito da criatividade, para acontecer com recursos que já existem e estão ao alcance dos profissionais e das organizações.

Só tem um jeito de gerar valor

Como comentamos acima, a inovação precisa gerar valor. E isso não significa, diretamente ou exclusivamente, gerar mais dinheiro. “Se houver, por exemplo, economia de tempo, já podemos dizer que houve geração de valor”, destaca.

Porém, tudo isso só tem sentido se soubermos para quem queremos gerar valor. Por isso, é preciso, acima de tudo, conhecer seu público. “Só assim você conseguirá ficar atento às oportunidades e experimentar, constantemente, novas formas de fazer acontecer”, enfatiza Ju.

A inovação é para você que precisa…

  • Se conectar profundamente com seu público
  • Detectar oportunidades
  • Desenvolver repertório e ter ferramentas para criar conteúdos e produtos
  • Transformar ideias em negócios

Quer saber mais sobre como abandonar os mitos da inovação e começar a inovar com pequenas ações que cabem no seu cotidiano profissional? Aproveite para aprender muito mais com a palestra da Ju Paolucci no MBX! Inscreva-se!

Você também pode gostar:

Autor (a)

Marina Petrocelli
Marina Petrocelli
Mais de 12 anos se passaram desde minha primeira experiência com Comunicação Social. Meus primeiros anos profissionais foram dedicados às rotinas de redações com pouca ou nenhuma relevância digital. O jornalismo plural se resumia em apurar os fatos, redigir a matéria e garantir uma foto expressiva. O primeiro sinal de mudança veio com a proposta para mudar de realidade e experimentar um formato diferente de produzir. Daí pra frente, as particularidades do universo do marketing se tornaram permanentes. Ah! Também me formei em Direito (com inscrição na OAB e tudo). Mas nem tudo se resume às minhas habilidades profissionais. Como produtora de conteúdo, me interesso por boas histórias, de pessoas reais ou em séries, filmes e livros, especialmente distopias. Gosto de montar roteiros de viagens e reconhecer estrelas e constelações em um aplicativo no celular. Museus, música e arte no geral chamam minha atenção, assim como cultura pop.

Compartilhar